sexta-feira, 8 de junho de 2012

Guarda-dores




Finjo me esconder
mas não é seguro
devo seguir
ou enfrentar?

Tenho medo do escuro
medo de fechar os olhos
tudo ainda está lá
no mesmo lugar

O mesmo cheiro
a mesma intensidade
a maldita ansiedade
o que tem ali?

A fuga não me fortalece
o medo não me deixa fraca
desistir e trancar
talvez seja mais prudente

É humano querer 
errar também
uma noite sem sonhos
uma vida sem chorar.

Um comentário: